CÂNCER NO OLHO

O QUE É?

O câncer ocular é uma doença rara e de prognóstico desfavorável quando diagnosticado em fases avançadas. Geralmente, se origina a partir da proliferação das células malignas nas diferentes estruturas do olho.

Em adultos, a maioria dos tumores oculares são secundários ou metastáticos, ou seja, se originam em outras partes do corpo, como pulmão, mama, rim, próstata, e se disseminam pelo organismo através da corrente sanguínea e sistema linfático até as estruturas do olho.

Dentre os tumores primários (intraoculares), que se originam a partir dos tecidos oculares, o retinoblastoma e o melanoma constituem os tipos mais frequentes

RETINOBLASTOMA

O retinoblastoma é o tumor maligno intraocular mais comum na infância. É originado das células da retina, que é a membrana do olho sensível a luz. Pode se manifestar desde o nascimento até os 5 anos de idade.

Em 90% dos casos não apresenta causas conhecidas e caracteriza-se pelo desenvolvimento anormal da retina na infância, acometendo, em geral, apenas um olho. Cerca de 10% dos casos é transmitido por hereditariedade podendo comprometer ambos os olhos.

O sinal mais comum do retinoblastoma é o reflexo pupilar branco. Quando a luz do flash da câmera bate sobre os olhos e reflete o branco na pupila, representa o reflexo da luz sobre a superfície do tumor.

O diagnóstico e sucesso do tratamento dependem da capacidade dos pais e do pediatra em detectarem sinais da doença na fase inicial. A avaliação do oftalmologista, é essencial para realização dos exames necessários, como o exame de fundo de olho, para diagnóstico definitivo e determinação da extensão da doença.

O tratamento varia desde a terapia local com laser, em tumores menores, até outras modalidades de tratamento como braquiterapia, quimioterapia e remoção do globo ocular em tumores maiores. Os melhores resultados são obtidos nos estágios iniciais da doença.

MELANOMA

O melanoma ocular é o tumor primário mais comum dos adultos. Acomete igualmente homens e mulheres entre 45 e 60 anos de idade. Na maioria das vezes é assintomático, mas pode se manifestar com alterações visuais em caso de descolamento da retina ou volume tumoral significativo. Não apresenta fatores de risco muito bem estabelecidos.

Pode ocorrer tanto na úvea, porção interna do globo ocular, como na conjuntiva, membrana que recobre a parte branca do olho e a superfície interna das pálpebras.

O diagnóstico é realizado através de exames oftalmológicos que permitem o mapeamento da retina e a ultrassonografia. Apesar de não serem visíveis, os melanomas da úvea produzem sintomas como flashes luminosos, “moscas” volantes e perda parcial ou total da visão. Em 25% dos casos podem se disseminar (metástases) para outros órgãos , como fígado, cérebro , pulmão.

O tratamento pode ser realizado com placas radioativas, técnicas de termoterapia transpupilar, braquiterapia, enucleação (remoção do globo ocular), quimioterapia ou imunoterapia. Em geral, é individualizado e orientado pela extensão da doença.

A melhor maneira de prevenir o câncer de olho é estar atento aos sinais e sintomas e realizar consultas e exames oftalmológicos periódicos, aumentando sobremaneira as chances de detecção precoce e cura.

Texto: Dr Israel Gonçalves Vilaça
Revisão: Dr Alexandre Fonseca